Alex Corrêa

“CONCERTO PARA PIANO E UNIVERSO” É OFICIALMENTE O PRIMEIRO TRABALHO LANÇADO DE ALEX CORRÊA, UMA OBRA INSPIRADA E COMPOSTA A PARTIR DE SUA VIVÊNCIA EM DIFERENTES CULTURAS AO REDOR DO MUNDO, DESDE EUROPA, ÍNDIA E ESTADOS UNIDOS – DAÍ O NOME “UNIVERSO”.

ALÉM DISSO, ALEX TRAZ PARA ESSE TRABALHO AS INFLUÊNCIAS DE SUA FORMAÇÃO MUSICAL, QUE COMEÇA NA MÚSICA CLÁSSICA E MAIS TARDE MIGRA PARA O CAMPO DA IMPROVISAÇÃO JAZZÍSTICA..

O PONTO DE PARTIDA DA COMPOSIÇÃO FOI CRIAR UM ESPETÁCULO QUE TRANSCENDE O FORMATO “JAZZ STANDARD”, NO INTUITO DE DESENVOLVER UMA PEÇA QUE SE DÁ EM DOIS MOVIMENTOS,  REMETENDO/CITANDO A IDÉIA CONCERTO ERUDITO..

OBVIAMENTE QUE TAIS NUANCES TRANSMUTAM ENTRE OS CITADOS GÊNEROS MUSICAIS, CONTEMPLANDO DESDE SESSÕES SOLO DE TODOS OS INSTRUMENTOS, IMPROVISAÇÃO INDIVIDUAL E COLETIVA, BEM COMO EXPOSIÇÕES EXTENSAS DE PARTES ARRANJADAS PARA O QUINTETO.

É ESSA VARIEDADE TEXTURAL COMBINADA COM MUITA ENERGIA RÍTMICA E A PURA MUSICALIDADE NATURAL DO COMPOSITOR QUE FAZEM O “CONCERTO PARA PIANO E UNIVERSO” SE DESTACAR ENTRE OS CONCEITOS ATUAIS QUE FUNDEM MÚSICA CLÁSSICA E JAZZ.

release do projeto 

Alex Corrêa (piano)

Nascido em 1981, no sul do Brasil e filho de pianista clássica, Alex Corrêa fez contato com o piano aos cinco anos de idade. Aos 17 anos, ingressou na faculdade de música, e aos 25 anos se mudou para São Paulo, onde em 2010 fez um primeiro registro de um trabalho em parceria de Adauto Dias e os músicos Nenê (baterista com Hermeto Pascoal por muitos anos) e Arismar do Espírito Santo no baixo.

Em 2013, ganhou bolsa para fazer um mestrado no Prins Claus Conservatorium na Holanda, onde em 2014 ganhou o prêmio VNO-NCW Noord Talent Award. Naquela ocasião teve seu talento descoberto pelo mundialmente famoso trompetista Alex Sipiagin, que o convidou para Nova York a gravar um disco intitulado “Gratitude”. Neste momento se iniciou uma longa parceria entre os músicos, fato que rendeu turnês em diversas partes do mundo como Alemanha, Suíça, Estados Unidos, Rússia e Brasil.

Em 2017 Alex é convidado a trabalhar com o lendário trombonista Raúl de Souza, com quem ele apareceu em festivais na Alemanha, Áustria e França em 2017 e 2018. Também em 2018, Alex residiu na Índia enquanto docente do Global Music Institute/Berklee em Delhi. No final do mesmo ano, realizou a estréia do primeiro movimento de seu novo Concerto com a Jazz Kombinat big band, na Alemanha, em parceria com Christophe Schweizer.

A partir de 2019, além de trabalhar no lançamento de seu novo projeto, Alex Corrêa é também diretor musical da Flora Purim e Airto Moreira sexteto, com turnês marcadas na África do Sul e Europa.

 

Sidiel Vieira (baixo)

SIDIEL VIEIRA Contrabaixista e Compositor iniciou sua trajetória as 13 anos, passando pela Escola Municipal de Música, Fundação das Artes de São Caetano do Sul e Universidade Livre de Música. Já atuou na Orquestra Jovem Tom Jobim, Banda Jazz Sinfônica de Diadema e na Bissamblazz Big Band, por onde acompanhou grandes artistas como Johnny Alf, Alaíde Costa, Filó Machado, Theo de Barros, Dominguinhos, Francis Haime, Proveta, Bocato e Vinicius Dorin. Já atuou ao lado de Airto Moreira, Hélio Delmiro, Raul de Souza, Roberto Menescal, Danilo Caymmi, Romero Lubambo, Leo Gandelman, João Bosco, Roberto Sion, Cláudio Roditi, Helio Alves e Felipe Salles. Também com músicos internacionais, sendo eles Jens Winther (Dinamarca), Jesper Hedegaard (Dinamarca), Julio Padron (Cuba), Haydee Milanes (Cuba) Pedro Avillés (Cuba), Ole Kock Hansen (Dinamarca), Kuni Mikami (Japão), Pekka Pylkkanen (Finlândia), Davy Mooney (EUA) Ohad Talmor (EUA), Marcus Gilmore (EUA) e os ingleses Will Vinson e John Escreet. Gravou discos ao lado dos músicos Guilherme Ribeiro, Débora & Dani Gurgel, Cuca Teixeira, Mônica Salmaso, Daniel Talbkin, Guga Stroeter, Raphael Ferreira, Mariko Nakahira (Japão) Jorginho Neto, Felipe Silveira, Yaniel Matos (Cuba), Ai Yazaki (Japão) Tuto Ferraz, Alissa Sanders (USA) Jesper Hedegaard (Dinamarca), Sidmar Vieira e outros. Hoje, além de liderar seu quinteto, acompanha Cesar Camargo Mariano, Ed Motta, Romero Lubambo, Ohad Talmor (EUA), Yaniel Matos (Cuba), Dani & Débora Gurgel Quarteto, Grupo Sinequanon, Mani Padme Trio, Sidmar Vieira Quinteto e outros. Atualmente é integrante do Amilton Godoy Trio.

 

Rodrigo “Digão” Braz (bateria)

Rodrigo “Digão” Braz estudou na Fundação de Artes de São Caetano do Sul e no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos Campos ”- Tatuí (SP- BRA). Devido ao seu desempenho como educador, ele também se formou em pedagogia.

Rodrigo tocou na sétima edição do Brazilian Day (2016) em Estocolmo, atuando como baterista e percussionista em seis shows: Andersoul Rational (SUE-BRA), Bartira Fortes (SUE-BRA), Denise Fontoura (LIT-BRA), Fábio Carneirinho (SUTIÃ); com os desfiles de encerramento de Filó Machado e Fabiana Cozza (banda composta por Arismar do Espírito Santo, Fábio Leandro e Rubem Farias). Em 2015, tocou com Ed Neumesteir, no Centro Cultural São Paulo.

Digao dividiu o palco com alguns dos maiores nomes do Brasil, como Hélio Delmiro (Elis, João Bosco), Fernando Corrêa (Orquestra Jazz Sinfônica), Vinícius Dorin (Saxofonista de Hermeto Pascoal), Amilton Godoy (Zimbo Trio), Luiz Chaves ( Zimbo Trio), Toninho Ferraguti, Toninho Horta, Monica Salmaso (Orquestra de Câmara Popular), Arismar do Espírito Santo, Thiago do Espírito Santo, Rodrigo Ursaia (NYC-BRA), Alessandro Penezzi, Laércio de Freitas, Cláudio Cruz (Spalla OSESP), Filó Machado, Caito Marcondes (Orquestra Popular de Câmara), André Juarez.

Vencedor do concurso (XX Festival Jazz Plaza (2002) como representante brasileiro, realizado em Havana-Cuba, contando também com a participação de: Gonzalo Rubalcaba, Egberto Gismonti, Danilo Perez, Horácio Hernández, Chucho Valdez, entre outros.

 

Alex Sipiagin(trumpete)

Festivais de Jazz em todo o mundo viram Alex Sipiagin se apresentar com nomes como Dave Holland, Michael Brecker, os grupos Mingus, etc. Nascido em 11 de junho de 1967 em Yaroslavl, Rússia, Alex começou a estudar trompete aos 12 anos, estudando no Moscow Music Institute e o Conservatório Gnessin em Moscou, onde recebeu seu bacharelado. Em 1990, Alex participou do Concurso Internacional Louis Armstrong patrocinado pelo Instituto Thelonius Monk em Washington DC. ganhando honras de topo e logo depois se mudou para a meca do jazz do mundo, New York City.

Alex logo se tornou um jogador favorito de várias bandas, incluindo a Gil Evans Orchestra, Zebra Coast Orchestra de Gil Goldstein, George Gruntz ConcertJazz Band, a banda de Bob Moisés Mozamba, Mingus Big Band, Mingus Dynasty e Mingus Orchestra, e Dave Holland Big Band, grupos Sextetand Octet.

Gravou 15 álbuns solo para uma das prestigiadas gravadoras de jazz “CrissCrossJazz”

Seu recente álbum de composições e arranjos “Balance 38-58″ traz músicos famosos como Eric Harland, David Binney, Adam Rogers e Matt Brewer.

 

Will Vinson(saxofone)

Originalmente de Londres, o Saxofonista / Compositor Will Vinson se mudou para Nova York em 1999 e permaneceu lá desde então. Desde a sua chegada, ele apareceu e / ou gravou com Gonzalo Rubalcaba, Kurt Rosenwinkel, Ari Hoenig, Marcus Gilmore, Chris Potter, Kurt Elling, Lage Lund, Aaron Parks e muitos outros.

Will é membro de vários grupos importantes, incluindo o quarteto do pianista Gonzalo Rubalcaba (ele aparece em Charlie e os Caminos indicados ao Grammy), Punk Bop e Nonet de Ari Hoenig (Will aparece em Inversations, Bert’s Playground e Live at Smalls), Miguel A Orquestra de Identidades de Zenon (indicada ao Grammy por Identidades é Mutável), e seus próprios grupos apresentando, entre outros, Lage Lund, Jeff Ballard, Aaron Parks, Kurt Rosenwinkel, Shai Maestro e Mike Moreno.

Will lançou 6 CDs como líder / compositor. Composições “incrivelmente originais” que “desafiam a noção de como o jazz é definido nesta era”, Jazzwise descreve-o como “heart-stopping”, e a Sterophile Magazine declara Will “um dos melhores saxofonistas do jazz”.

O saxofone de Will é executado com incrível poder e sensibilidade dramática, e é caracterizado por seu som e técnica imponentes; Influenciado pelos saxofonistas de Cannonball a Chris Potter, ele traz sua abordagem única para cada performance. A escrita de Will e a interpretação de seus colegas combinam um grande respeito pela tradição de jazz de um século de duração, com explorações nos domínios rítmico, harmônico e melódico das formas contemporâneas.

 

Formação brasileira: Alex Corrêa (piano) | Sidiel Vieira (baixo) | Rodrigo “Digçao Braz (bateria) | Daniel d’ Alcantara (trumpete) | JP (sax/flauta)

 

Veja o TEASER do projeto.

Clique e veja a apresentação em DPF com todos os links de Alex Correa: Alex apresentação

 

alex quinteto

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Projeto Gratitude

 

Projeto Gratitude

O projeto Gratitude é um trabalho que o pianista Alex Corrêa desenvolveu no
intuito de compor uma peça para cada uma de suas maiores influências musicais, no
decorrer de sua trajetória enquanto pianista. Considerando alguns dos principais
nomes da música instrumental brasileira, tais como, Egberto Gismonti, Hermeto
Pascoal, Amilton Godoy, Radamés Gnatalli, Tom Jobim, entre muitos outros, tal
trabalho se caracteriza por homenagear e reverenciar tais nomes que muito
contribuíram para o desenvolvimento, expansão e divulgação da música brasileira ao
redor do mundo, bem como consolidar o legado que tais músicos deixaram para as
gerações futuras, sendo Alex um dos nomes dessa nova geração.
Desta feita, O pianista convida como solista um dos grandes nomes da música
instrumental da atualidade, o gaitista Gabriel Grossi, que também é parte dessa nova
geração de músicos que sofreram a influência de tais compositores, e que também
contribui para o enaltecimento da música brasileira no cenário mundial, bem como os
músicos Sidiel Vieira e Rodrigo Digão Braz para integrar o quarteto.

Repertório:
Snow
De propósito
SoulBrothers
Gratitude -
Face Dos Eus
Tico
Sai da Frente